Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

O nosso diário: aprendemos, vivemos e partilhamos a nossa Fé.

as surpresas de DEUS!

O nosso diário: aprendemos, vivemos e partilhamos a nossa Fé.

28
Jun18

Sorte de Israel, por ter sido o escolhido!

Helena Le Blanc

Uma das coisas que me intrigou desde sempre foi Deus, de todos os povos da terra, ter escolhido ISRAEL para ser o povo eleito: o povo que iria experienciar uma relação estreita com Deus e anunciar ao mundo a verdade.

O povo de Israel deve ter sido mesmo muito especial, já que hoje em dia é um poço de conflitos.

Lá dos lados do deserto, coloca-se entre a filosofia oriental e a cultura egípcia!

Sorte de Isarel, por ter sido o escolhido!

Mas... porquê? Porquê Israel?

 

Ao ler a Bíblia descobri a resposta. Ora vejam:

 

- "povo de cabeça dura" (Dt 9, 4-6)

- "teimoso, com maldade e pecado" (Dt 9, 27-28)

- "espírito rebelde e cabeça dura" (Dt 31, 27)

- "povo idiota e sem sabedoria" (Dt 32,6)

- "uma nação sem juízo e sem inteligência" (Dt 32, 28)

 

Descupem os israelitas, mas... acho que estou contente por não fazer parte do povo escolhido! Quase que ia caindo da cadeira quando li "povo idiota". 

Deus escolheu o povo que tinha mais dificuldades à face da terra para o ensinar, orientar, guiar e tornar-se exemplo do Amor de Deus, Testemunha da Aliança entre Deus e a humanidade. 

Deus não "acordou" com o povo mais perfeito mas sim com o mais imperfeito!

O que é que isto nos diz de Deus?

Conhece exatamente o que somos e quem somos e sabe até onde podemos ir.

Deus respeita a nossa imperfeição.

 

Não tenhas medo de Deus!

 

abbey-1866549_1920.jpg

 

imagem sem direitos de autor retirada de Pixabay

 

08
Jun18

A herança de uma religião!

Helena Le Blanc

Eu poderia dizer: "Estou perdida!" ou "Estou confusa! Não sei o que pensar!"

 

A Vida apresenta-nos acontecimentos, surpresas, que muitas vezes nos tiram o "norte". Acho que todos nós já sentimos essa sensação. Eu, pelo menos, já o senti, e muitas vezes. Posto isto e retomando as minhas primeiras palavras, eu digo: Deus baralha-me imenso! ELE consegue lançar a confusão quando eu menos espero, da forma mais inesperada possível e pela qual não consigo deslumbrar nenhum desfecho!

Eu digo isto porque sou católica, crente em Deus-Pai, Deus-Filho e Deus-Espírito Santo. E esta minha crença foi herdada, tal como herdei a cor do meu cabelo, a minha cor de pele, o meu país, a minha língua, a minha cultura!

Obviamente que nesta herança há partes que ainda não se podem escolher, pelo menos utilizando os métodos tradicionais de conceção, e outras que não se podem mesmo escolher e que estão entranhadas na família. Mas há a parte da crença que efetivamente se pode escolher (nos tempos de hoje): escolher dizer que sou católico mas não praticante; escolher dizer que se fez tudo o que havia a fazer na Igreja mas não se acredita; escolher dizer que não sabe muito bem...

É bom poder-se escolher e decidir, mas também é muito bom confiar... confiar nos nossos ancestrais que viveram mais do que nós; que sobreviveram a muito e que, no mínimo, para isso não foram nada burros.... pelo menos menos burros que nós somos hoje.

Herdei, aceitei, mas sem quase nada perceber: simplesmente confiei. Durante a minha catequese fiquei a conhecer Jesus... Cresci com Ele pois literalmente foi o meu amigo secreto. Amava-o muito. Mas a determinada altura, no final da adolescência fui-me esquecendo dele... em prol de outro tipo de afetos...

Afastei-me durante vários anos da Igreja Católica, não aceitando as suas regras e a sua hierarquia pesada! Regressei quando percebi que na Vida eu sentia-me perdida, confusa, dia após dia, sem objetivo final, sem esperança...

No início foi um somente retomar de velhas, mas familiares, rotinas... Ir à missa todos os domingos: uma hora por semana. Não me fazia sentir pior, mas também não me fazia sentir "renascida", especial, maravilhosa, etc...

Com o passar do tempo, de forma quase despercebida, começaram surgir pequenas coisas, algumas até irónicas. Por ex: um convite da minha mãe para ir com ela ao jantar de despedida do Sr. Pároco - o mesmo que enquanto iniciava o seu trabalho na Paróquia eu saía dela.

Tornou-se interessante para mim rever as pessoas da minha comunidade: umas tinham-se casado, outras já tinham filhos... Em cada missa revia (ao longe) alguém diferente.

E passo a passo, naqueles meses, Maria (soube eu mais tarde) dirigia os meus passos para a Comunidade (Paróquia) e para o seu filho. Mas foi Deus que encontrei... aprendi tanto sobre Ele e a sua Igreja ao longo destes anos! 

 

Muitos dizem "que há coincidências". Eu digo que há Deus-Pai nas nossas vidas. Poderemos (na maior parte das vezes) não perceber o que nos está a acontecer e do seu porquê, mas é Deus e o seu imenso amor por cada um de nós! Continuo a ter bons e maus momentos como toda a gente mas não me sinto perdida, sem o "norte". Saber que há um porquê, um propósito, o grande amor de Deus por mim, faz com que eu viva com garra, com alegria, com confiança e felicidade.

Se tu um dia parares (parar mesmo), olhares para trás e relembrares cada acontecimento, cada episódio da tua vida, como se de um filme se tratasse, o teu coração saberá a verdade.

E a real questão colocar-se-á: será que a tua cabeça terá a coragem para reconhecer essa verdade?

 

Xavier foto casamento Preto e Branco.JPG

 

16
Set17

A Fé traumatiza a criança?

Helena Le Blanc

De vez em quando assaltam-me algumas duvidas quando vejo pequenos sinais da nossa Fé no meu filho.

Por exemplo, neste verão ele esteve com uma jovem amiga durante uma semana cá em casa. Brincou muito com ele e fizeram diversas atividades. Em alguns dias, quando chegava a casa, tinha surpresas à minha espera:

IMG_6646-001.JPG

Bem, neste caso foi uma surpresa para o Pai, a sua prenda de anos.

Mas tive mais, por exemplo esta:

IMG_6623-001.JPG

Entre outras, o que chamou mais atenção foi isto:

IMG_6528-001.JPG

IMG_6529-001.JPG

Nessa noite o nosso canto de oração ficou assim:

IMG_6534-001.JPG

Como é que um menino de 4 anos tem estas iniciativas? Porque a sua família tem muito presente a sua Fé no seu quotidiano e na sua casa.

Mas é normal este tipo de iniciativa? Será saudável que a criança seja rodeada assim de tantos sinais e vivências?

São as tais dúvidas que de vez em quando me assaltam. Não irá ele um dia ficar "enjoado", "farto", "traumatizado"?

Quando as crianças têm este tipo de iniciativas normalmente foi porque o Catequista, o Padre ou outro adulto pediu. Mas o meu filho lembrou-se de escrever também o nome de Jesus numa pedrinha, tal como tinha feito já com os nossos nomes, e colocar no nosso canto de oração porque na nossa família o Pai, a Mãe, a televisão, os brinquedos, a patrulha pata, etc.. têm a mesma importância que têm Jesus, a nossa Fé, a nossa Oração, o nosso Deus. Tudo é importante, um bocadinho de cada, sendo certo que os valores que Deus nos pede para vivenciar, ensinados por Jesus Cristo, terão que ser o mais importante de tudo. Isto chega-nos através de desenhos animados adequados, brincadeiras, jogos, histórias... por ex. as histórias da bíblia que são tão boas como as histórias "tradicionais".

Isto é o que eu acredito apesar das minhas dúvidas (típicas de mãe).

A nossa casa têm coisas que nós gostamos. Um exemplo disso é a cor verde com que pintamos o interior da nossa casa. E se eu amo Deus tenho que necessariamente expressar isso nas coisas que me rodeiam, seja em minha casa, no meu carro, na minha carteira, nos meus livros, no meu facebook...

O meu filho vai absorvendo inconscientemente todos estes sinais, e como tal vai fazendo sentido para ele a nossa Fé, já que vamos à Missa todos os domingos, benze-mo-nos todos os dias com água benta, agradecemos as coisas boas do dia, rezamos Avé-Marias e Pai- Nossos (neste caso ele é o encarregue de contar), lemos histórias da bíblia, temos a Cruz da nossa salvação cá em casa, etc...

Outro exemplo que me ocorre: os clubes de futebol. Cedo as crianças sabem qual o club favorito dos pais e aprendem a "torcer" por esse club. Para os rapazes faz sentido particarem futebol porque esse desporto, esse gosto, está presente (de diversas formas) na família. As crianças ficam traumatizadas por causa do futebol? 

Num dia destes, e junto de um casal amigo com quem ele passou o fim de semana, ao ver uma cruz alta na estrada fez o seguinte comentário:

 

- A minha mãe iria gostar muito desta cruz!

 

E isto é um comentário saudável, não de uma criança "traumatizada" pelos pais e pela sua vivência na Igreja Católica.

Por isso é que, em tempos de reinício de catequese, sinto-me muito triste quando percebo junto das crianças que a catequese não faz sentido para elas. Percebem o que se diz e ensina, mas não têm nenhum resultado pratico nas suas vidas porque a família não vive a sua Fé. 

A missa, a catequese, os ensaios para a Primeira Comunhão e Crisma, etc... tudo isso é difícil para as crianças e jovens porque quando olham para os seus pais, verificam que o que andam a fazer são formalidades e festas, e é assim que vão aprendendendo o que quer dizer "hipocrasia", "mentira", "estar no social", "beleza"... Por sua vez os adultos vão se queixando como são os jovens de hoje!

 

Confio em Deus completamente. Sei que o seu amor por nós é inamaginável (para os nossos sentidos humanos), e que vai estar sempre ao lado do meu filho, nos bons e maus momentos eternamente. Porquê?

Porque Deus pensou-o, criou-o e entregou-me no meu seio. Ele era seu filho antes de ser meu. Eu faço o meu papel de mãe, de guardiã do tesouro mais precioso ao cimo da terra. Mas tenho que fazer mais para além disso: tenho que lhe dar a conhecer o seu verdadeiro Pai, a verdade da sua existência!

 

"Sim! Pois Tu formaste os meus rins,

Tu me tecestes no seio materno.

Eu te agradeço por tão grande prodígio,

e maravilho-me com as tuas maravilhas!"

 

(Salmo 139/138 - É Deus quem revela quem somos)

Sigam-me

Comentários recentes

  • Anónimo

    Regular updates to the countdown to the Day of the...

  • Helena Le Blanc

    Ola!Obrigada Sr./Sr.ª Desconhecido(a).Vou dar notí...

  • Anónimo

    Mudou-se para o sapo e nunca mais escreveu?Dê notí...

  • Bruxa Mimi

    Boas leituras, Lena!Bjs,Mimi

  • Anónimo

    Bela ideia! Acho que o senhor padre este ano quer ...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mais sobre mim

foto do autor