Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

Aprendemos, vivemos e partilhamos a nossa Fé.

as surpresas de DEUS!

Aprendemos, vivemos e partilhamos a nossa Fé.

26
Dez17

Árvore de Jessé - Dia Vinte

Helena Le Blanc

Sexta-feira, dia 22 de Dezembro de 2017 - 20º dia do Advento /  dia vinte da Árvore de Jessé:

 

DIA 20

 

 

SÍMBOLO

 

 

CONCHA DO MAR

 

 

TEMA

 

 

PREPARAÇÃO

 

 

BÍBLIA

 

 

MATEUS 3, 1 - 6

 

 

TEXTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

João Baptista prepara o caminho

1Naqueles dias, surgiu João Batista, pregando no deserto da Judeia.

2Ele dizia: "Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo".

3Este é aquele que foi anunciado pelo profeta Isaías:
"Voz do que clama no deserto:
'Preparem o caminho
para o Senhor,
Façam veredas retas
para ele' ".

4As roupas de João eram feitas de pelos de camelo, e ele usava um cinto de couro na

 cintura. O seu alimento era gafanhotos e mel silvestre.

5A ele vinha gente de Jerusalém, de toda a Judeia e de toda a região ao redor do Jordão.

6Confessando os seus pecados, eram batizados por ele no rio Jordão.

 

Texto retirado da bíblia: https://www.bibliaon.com/

 

ATIVIDADE 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para melhor perceber o sacramento da reconciliação: usar “ uma reação ácido-base, funcionando quase como um truque de ilusionismo! Um copo cheio de lixívia, outro com tintura de iodo, um terceiro apenas com água (…)”

 

Um ótimo exercício para todos os membros familiares perceberem ou relembrarem como é importante este sacramento: todas as nossas ações têm consequências, e (feliz ou infelizmente) ficam marcadas em nós como “lama” numa ovelha. Poderá ninguém estar a ver, mas Deus é Omnipresente. Também Deus é Misericordioso, perdoa-nos sempre se pedirmos perdão e nos arrependermos profundamente. Neste caso reduz os nossos pecados em cinzas.

 

Ver estes três posts do Site das Famílias de Caná sobre esta temática (com propostas de atividades)

- Reação ácido-base:

http://www.familiasdecana.pt/blog/da-nascente/em-cana-da-galileia/o-poder-da-confissao-explicado-a-pequenos-e-grandes/

- Como lama presa na ovelha:

http://www.familiasdecana.pt/blog/da-nascente/em-cana-da-galileia/a-confissao-dos-pequeninos/

- Os pecados ficam reduzidos em cinzas

http://www.familiasdecana.pt/blog/recursos/atividades-de-evangelizacao/o-pecado-que-se-torna-cinza/

 

ORAÇÃO

 

 

 

Santo Deus perdoa-nos quando fazemos coisas que O desagradam. Prepara os nossos corações para Jesus.

 

 

 

Colocar a imagem (símbolo) na Árvore de Jessé

 

sea-shells-2215408_1920 (Small).jpg

 

20 DIA - JOÃO BATISTA.pdf - Documento do dia 20 da Árvore de Jessé

 

21
Mar16

Deus, só podes estar a brincar comigo!

Helena Le Blanc

Há pouco tempo participei numa cerimónia de reconciliação. Foi a primeira vez. Tecnicamente é uma celebração litúrgica (Leitura de uma Carta do Novo Testamento, Salmo, Evangelho, Homilia). Mas rechearam-na com mais uns momentos simbólicos que ajudaram as pessoas a refletir sobre este Sacramento e a fazerem uma espécie de Exame de Consciência. Foi, do meu ponto de vista, muito interessante.

Mas o que achei um mimo, foi o terem-me entregado um fio de lã cinzento mal entrei na Igreja. Ouvi a seguinte história durante a cerimónia:

Em determinada localidade havia um homem que andava sempre muito alegre e bem disposto. No entanto, era do conhecimento geral, alguns dos seus pecados. 

Um dia, alguém o abordou, questionando-o porque é que estava sempre alegre e contente e se não se apercebia do mal que fazia. 

Ele respondeu que os pecados dele servem para se aproximar cada vez mais do colo de Deus.

Como?

Porque cada vez que se confessava, dava um nó no seu cordão que o ligava a Deus. Quantas mais confissões fizesse, mais curto se tornaria o cordão e mais próximo estava o amor e carinho de Deus.

Ok.

No final da cerimónia, seguiu-se o momento das confissões com 5 padres, com uma música de ambiente pacífica e original.

Decidi escolher um dos três padres mais jovens. Não iria fugir ou minimizar a minha confissão. Tive a tendência para escolher os mais velhos. Têm problemas de saúde associados à idade (principalmente a audição) e isso facilitaria e muito o meu reconhecimento das falhas.

Respirei fundo e, com muito receio, medo e coragem fui.

 

Passados uns minutos percebi que estava a acontecer alguma coisa de esquisito.

Apesar de estar perto de qualquer um dos três, não consegui vez para me confessar. Havia sempre alguém que aparecia de uma direção diferente, de trás de mim e que passava à minha frente. Aconteceu várias vezes.

 

Deus, só podes estar a brincar comigo!

 

As pessoas começaram a perceber (algumas das minhas tentativas foram muito notórias) e a enviarem-me sinais de carinho e simpatia.

A história continuou.

 

Ocorreu-me desistir e ir-me embora ou ir confessar-me ao Sr. Padre mais velhinho. Tive numa luta acérrima.

 

Olhei para um dos Santos da Igreja e pensei: tu sabes o que Deus me está a fazer. Já não lhe basta a minha coragem. Tenho que querer efetivamente e lutar para ir confessar. É isso Sr. Santo?

A partir daquele momento, o mesmo começou a acontecer com uma outra senhora, que estava em paralelo comigo à frente. Sorrimo-nos uma para a outra várias vezes e combinamos, juntas, como um acordo tácito, em que seríamos as seguintes, ela para um padre e eu para outro padre. Bastou a nossa linguagem não verbal para que tudo isto tivesse acontecido.

 

Chegou a nossa vez!

Sentei-me junto do Sr. Padre e comecei a ler as 3 minhas listas.

Encontrei um amigo, do lado de lá.

Um Sr. Padre desconhecido (nunca o tinha visto mais gordo) revelou-se um verdadeiro amigo. Nunca o esquecerei.

Eu que tenho problemas ao nível do relacionamento privado, enquanto não conheço e convivo regularmente com as pessoas, senti-me muito bem e confortável! O nosso diálogo (esta confissão) foi, do meu ponto de vista, único. 

Foi uma experiência extraordinária. Não sei quanto tempo estive nesta confissão. Chorei, emocionei-me, ri-me, soltei algumas gargalhadas, entristeci-me, alegrei-me, horrorizei-me... Tanto que se passou neste pequeno (mas grande) momento.

Meu Deus, meu querido Pai, és incrível!

Fui posta à prova, e a recompensa foi extraordinária!

 

(P.S. - o fio de lã na minha opinião poderia ter sido de uma cor mais alegre! Parabéns para quem teve esta iniciativa).

P1030232.JPG

20
Mar16

Como é que eu me confesso?

Helena Le Blanc

O Sacramento da Reconciliação (é assim que se chama) é difícil de entender.

Eu levei tempo para perceber que a teoria de que Deus me ouve diretamente e que não preciso de falar com um Padre para reconhecer as minhas faltas é verdade! Realmente verdade! Deixou de ser uma desculpa para escapar à confissão, para ter a certeza que é mesmo assim. Deus é omnipresente. Quer dizer que Deus está em todo o lado ao mesmo tempo e sabe de tudo.

Pois bem! Então porque este Sacramento? Manias da Igreja?

Deus ama-nos muitíssimo. Qual é o Pai que não ama o seu filho? Todos os seus filhos?

Deus, no seu amor, espera retribuição. Não há nenhuma relação unilateral que resulte. Acabam em separações, divórcios, fugas, desaparecimentos, desgraças...

Deus, através do seu amado filho Jesus Cristo (nosso irmão divino), mostrou-nos como poderemos retribuir. E uma delas é exatamente esta: reconhecer perante um homem, feito de carne igual a mim, as minhas falhas. E a isto chama-se coragem, HUMILDADE, e partilha. 

 

Há aqui muito para dizer, em termos doutrinários. Não tenho intenções de o fazer. Somente quero explicar, depois de ouvir e aprender, o que acabou por significar este Sacramento para mim (no meu cérebro e coração).

 

Coragem - Não é delicioso quando vemos os nossos filhos terem a coragem de nos contar a verdade? Não aumenta o nosso amor e admiração por eles?

Humildade - Não é tão grande e poderoso esta qualidade e posicionamento? É da humildade quesurge tudo o resto: a amizade, a lealdade, a nobreza de caráter, a verdade, a fortaleza, a segurança, a simplicidade...

Partilha - Somos todos feitos de carne. O Sr. Padre é um homem, como eu (tecnicamente sou mulher). Eles aprendem muito connosco, com as nossas confissões. Ouvem as nossas misérias, que os fazem refletir nas deles. Na sua missão, são colocados à prova: apesar de ouvirem todos os pecados possíveis e imaginários que o ser humano é capaz (e imagino que somos capaz de muito) eles devem continuar a sorrir e a acolher-nos. Como todo o Pastor deve, continuar a amar a sua ovelha que, perdida no seu cérebro e coração, encontrou o caminho de casa...

 

Depois de ter ultrapassado esta minha grande dificuldade (a minha primeira confissão, depois de muitos anos), comecei a preparar-me com muito cuidado relativo às seguintes, utilizando o mesmo método da primeira. Passo a explicar:

Em cada Eucaristia, e no caminho que levo até ao ministro que distribui a comunhão revejo a minha semana e os meus pecados. Memorizo-os.

Uma vez por mês tenho um momento de avaliação e revisão.

Pego num dos livrinhos de orações, que costumam a ter sempre um capítulo dedicado à Confissão, Exame de Consciência ou simplesmente olhar para os 10 mandamentos, e vou escrevendo num papel solto a lista dos meus pecados.

Termino colocando a data e guardo a lista até ter a oportunidade de me confessar.

Às vezes acumulo várias listas. Nestas listas, e por comparativo, vou monitorizando os meus progressos e as minhas recaídas.

Em cada um destes momentos, e porque utilizo ferramentas diferentes (livros diferentes, pesquisas na internet) vou recordando pecados antigos. Também os escrevo.

 

Esta metodologia ajuda-me a identificar muito bem todas as minhas falhas e limitações. Ajuda-me também a não esquecer nada no momento da confissão. Levo a lista comigo e leio todos os pecados. 

Claro que não especifico situações (Deus sabe-as todas). Por exemplo, um pecado que recentemente confessei foi o seguinte: "Não ter feito mais por algumas pessoas que poderia ter feito se tivesse estado mais atenta". Eu escrevi assim. Claro que não estão aqui as situações especificas a que me refiro. Mas esta é a minha falha, o meu pecado, entre muitos.

Encontrei a minha metodologia e este assunto já está arrumado, obstáculo ultrapassado.

Acontece que Deus não me tornou a coisa assim tão fácil!

Nesta Quaresma a confissão complicou-se (outra vez)!

Como o texto já é longo, fica para amanhã.

IMG_1233.JPG

Sigam-me

Comentários recentes

  • Anónimo

    O senhor de cima tem razão. “Instrumentum laboris...

  • deficientedonadecasa

    A família é o que temos de dar valor na vida, é o ...

  • Helena Le Blanc

    Caro Sr. António Antes de mais obrigada por ter co...

  • Anónimo

    Não concordo nada. O celibato dos padres é uma reg...

  • Teresa Power

    Vou comentando aos bocadinhos, desculpa ocupar-te ...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Mais sobre mim

foto do autor