Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica à procura do colinho do SENHOR!

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica à procura do colinho do SENHOR!

Porque é que eu sei tão pouco da minha religião?

Junho 20, 2018

Eu faço parte da chamada "geração rasca" pós 25 de Abril.

Foi connosco que o mundo deixou de andar a passo de caracol para correr velozmente: 

 

- A televisão que de dois canais passou para três, depois apareceu a cor e foi ver crescer as possibilidades e escolhas;

- Surgiu o telemóvel, como um pequeno tijolo com uma antena frágil. Foi crescendo em tecnologia e decrescendo em tamanho;

- Apareceram os computadores: para mim o primeiro foi o Macintosh;

- A Internet! Acho que a Internet, na minha opinião, foi o top das novidades que apareceram nas nossas vidas! O que hoje se pode fazer com a Internet? Tudo. Aliás, agora há determinadas obrigações que só pela Internet é que as poderemos cumprir! A evolução neste campo é extraordinária. Lembram-se do slogan "o mundo é uma aldeia"? Acho que agora já não é preciso abrir a porta de casa para entrar na aldeia: o mundo está literalmente sempre nas nossas mãos.

 

Poderia referir mais coisas, pois em todas as áreas da nossa vida surgiram novidades que nos trouxeram mais conforto para o nosso dia a dia. Mas não posso deixar de referir o que aconteceu nas escolas. Dos meus anos de estudante duas ideias ficaram claramente na minha cabeça (por tantas vezes as ter ouvido, ano após ano):

 

- A minha liberdade acaba onde começa a do outro;

 

- Não se pode aceitar tudo o que nos dizem: temos que pensar com a nossa própria cabeça (o espírito crítico).

 

Sem ser, e querer ser, especialista nestas matérias, à primeira vista diria que a primeira ideia tornou-se importante transmitir à juventude por causa da recente experiência ditadurista que o país tinha acabado de sair; e a segunda porque o método experimental tinha que se tornar à força a essência do bom senso humano!

Isto tudo à mistura com a cultura americana que nos chegava a bombar pela televisão. Parecia ser cool: fumar; ter muitas experiências de sexo sem estar amarrado pois a história do príncipe encantado ou da princesa poderia acontecer a qualquer momento; usar roupas o mais chocantes possíveis; fingir estar sempre alegre com vontade de dançar; ir ver concertos com os amigos sem hora de chegada a casa; beber shots; conhecer todos os grupos musicais do momento; ter sucesso na vida profissional...

 

No meio disto tudo, o Papa da altura, São João Paulo II, apercebendo-se desta onda negra que caía sobre as nossas cabeças, tentou fazer algumas coisas, como por ex. os Encontros Internacionais da Juventude, a sua encíclica Evangelium Vitae (Evangelho da Vida) e a divulgação da encíclica (escrita por um antecessor dele) Humanae Vitae (Vida Humana). Acontece que eu, apesar de frequentar a Paróquia da minha terra, nunca ouvi falar disto durante esses anos. Nunca.

Da minha catequese pouco recordo: decorar algumas orações, pintar, mudarmos de instalações várias vezes, mudar de catequistas, celebrar os sacramentos com as festas familiares e mais nada.

Das Eucaristias e momentos que estávamos com os Sr.s Padres só recordo dos seus discursos chatos e sem interesse para mim. Eram mesmo "SERMÕES". Nada do que diziam fazia sentido para mim à excepção de uma época específica.

Essa altura, alguns anos, a Igreja fez sentido para mim: um padre, mais jovem, esteve connosco alguns anos. Arranjou-nos uma atividade super divertida (o teatro) e atrás disso veio a participação em retiros espirituais, a formação do grupo de oração dos salmos, fazermos o Crisma (que há muitos muitos anos esse sacramento tinha ficado esquecido na Paróquia), etc...

Ele foi transferido. Eu fui embora. No entanto este bocadinho, que fez a diferença, ficou cá dentro, como uma bela recordação.

 

Agora pergunto eu: porque é que eu sei tão pouco da minha religião? Porque é que as "filosofias alternativas" me parecem tão aliciantes? Porque é que a meditação parece ser tão cool na filosofia oriental, quando ela nasceu na Fé Judaico-Cristã? Porque é que Deus me parece tão longe, tão exigente, tão cruel, tão injusto? Porque é que o chamamento para a Santidade me parece ser uma coisa impossível? 

 

Todos nós temos respostas para estas perguntas. Mas acho que todos nós (crentes ou não crentes) também podemos concordar que o mundo, tal como ele está, não está melhor! Falta algo... aquela especiaria que fará toda a diferença na vida do jovem.

Depois desta reflexão, temos necessariamente que fazer. Sim, fazer.

 

- O que mudar?

- O que é que eu, hoje, posso fazer pela geração atual? 

 

woman-1733891_1920.jpg

 A imagem, sem direitos de autor, foi retirada de Pixabay.com

 

 

Os textos referidos:

- Encíclica Humanae Vitae

- Encíclica Evangelium Vitae

A cristandade têm "problemas" com Maria!

Maio 31, 2016

Encontrei um pequeno livro que resume a doutrina mariana. 

Um dos capítulos é dedicado aos dogmas marianos, ou seja, aos pilares que assentam a nossa Fé. 

Dogma significa "Eu acredito". É uma afirmação de Fé.

Só uma pessoa tem autoridade para este tipo de afirmações: o PAPA em união com todos os bispos do mundo, os sucessores dos Apóstolos.

Até entendo: se todos (e são muitos) concordam e aceitam aquela afirmação como verdade, é porque sem dúvida nenhuma é fruto do Espírito Santo, pois todos sabemos como é dificíl um grupo de pessoas concordarem com o mesmo!


IMG_1609.JPG

São 4 os dogmas marianos:

1 - Maria é verdadeiramente MÃE DE DEUS (dia 1 de Janeiro);

2 - Maria permaneceu SEMPRE VIRGEM (a festa da Anunciação a 25 de Março);

3 - Maria foi CONCEBIDA SEM PECADO (8 de Dezembro):

4 - Maria SUBIU AO CÉU EM ALMA E CORPO (a Assunção em 15 de Agosto).

 

Deixem que Vos diga que Maria foi um personagem muito controversa na Cristandade. 

Os cristãos católicos, como eu, aceitam (ou devem aceitar) os quatro dogmas.

No entanto nem toda a cristandade concorda com isto.

 

Ora vejamos:

 

Protestantes (evangélicos, pentecostais, neopentecostais, luteranos, presbiteranos, anglicanos, metodistas, batistas, congregacionais) - não reconhecem Maria como Imaculada Conceição e a Assunção (dogmas n.º 3 e n.º 4). No entanto o  próprio Martinho Lutero tinha um grande interesse por Maria. Acreditava na sua virgindade perpétua, reconhecendo-a como a Mãe de Cristo. Não prestam culto a Maria pois temem torná-la uma divindade feminina.IMG_1722 copy.JPG

Eu, cristã católica, sou devota a Maria, e como tal reconheço-a como uma mulher que foi concebida sem pecado. Sendo ela a mãe do filho de Deus, só tinha que ser pura e perfeita para cumprir esse papel e missão! Também acredito na sua assunção. Porquê: AQUI.

 

Ortodoxos - É venerada como a "Theotokos", a Mãe de Deus. Não aceitam o dogma n.º 3. Mas honram-na como imaculada sem mancha, toda pura. Curioso: insistem no carácter humano da sua morte e celebram a "dormição" de Maria: acreditam que depois foi ressuscitada por seu Filho.

IMG_1633 (1).JPGEu, cristã católica, sou devota a Maria, e como tal reconheço-a como uma mulher santa desde a sua conceção e completamente fiel a Deus, não diminuindo o seu valor enquanto ser humano.

 

Já agora, Maria noutras religiões...

Já tinha feito uma leve abordagem AQUI.

Judaísmo - Não reconhecem Jesus como Filho de Deus, apenas como um profeta. Maria é uma mãe como qualquer outra.

Islamismo - Maria foi uma virgem fecunda pelo sopro de Deus, e é modelo de fé e de virtudes. O Corão fala dela 34 vezes. Não reconhecem Jesus como sendo o Filho de Deus, e consequentemente Maria não é Mãe de Deus.

Segundo o Corão, Maria nasceu "imaculada", preservada de todo o contacto com o Diabo. Permaneceu virgem durante a maternidade. Maria é considerada uma Santa e apresentada como modelo para as mulheres muçulmanas pois é modelo de Fé em Deus e submissão à sua vontade.

Budismo e Hinduísmo - Não conhecem Cristo nem Maria. 

 

Estas são daquelas coisas que nós católicos deveríamos pensar, amadurecer e interiorizar!

Doutrina não é para decorar e dar as respostas certas nas alturas certas.

Doutrina é a estrutura da nossa Fé, que nos ajuda a não sair dos limites, a não correr riscos; e consequentemente a não cair no paganismo, espiritualismo, cartomânacia, espíritas ou nos simples interpretações dos signos.

 

Minha Mãe, com esta e outras leituras, pecebo que sei tão pouco de si!

Como é possível? 

Como tenho ainda tanto para ler, ouvir, estudar e perceber!

Espírito Santo, tu que és o amor puro, guia e fonte da sabedoria, peço-te que sejas sempre e todos os dias o meu Mestre... 

Ámen (Que assim seja!)

 

Biografia: "Conhecer Maria" de Pedrosa Ferreira, Junho 2011, Edição Cavaleiro da Imaculada

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Mais sobre mim