Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

O nosso diário: aprendemos, vivemos e partilhamos a nossa Fé.

as surpresas de DEUS!

O nosso diário: aprendemos, vivemos e partilhamos a nossa Fé.

06
Abr17

Como foi o nosso retiro?

Helena Le Blanc

Caro Amigo e Amiga, o retiro foi fabuloso.

Eu que andava com "niquices" na cabeça e no coração (niquices agora, porque antes eram pedregulhos) tudo desapareceu para dar lugar à vontade de fazer diferente, e à vontade de sentir diferente.

Exatamente.IMG_1473-001.JPG

Como bem diz a Olívia no blog Adoptar Amar e Viver (AQUI), sempre temos tanta coisa para fazer que parar tudo para ir a um retiro não é fácil, nada fácil.

Mas ainda bem que o fizemos porque foi tempo ganho para nós: parar, ouvir, orar, conviver e refletir.

No post do site das Famílias de Caná (AQUI) poderá ler um belo registo do dia que tivemos em Fátima.

Mas como foi para mim e para a minha família este dia?

Depois do acolhimento (sorrisos, abraços, barulho, movimentos vários, musica) a Teresa partilhou connosco o que sabe sobre a Irmã Lúcia, uma das pastorinhas de Fátima. Fez todo sentido estarmos juntos e ouvir um pouco mais sobre a história de Fátima.

O que aconteceu à pastorinha Lúcia, a mais velha, depois dos outros morrerem?

Como foi a sua vida na terra?

Teve mais aparições de Nossa Senhora?

Viveu em Fátima e pode re-visitar todos os locais à sua vontade?

Viveu com honras reais já que era uma pessoa privilegiada de Deus? 

Pode realizar todos os seus sonhos?

As respostas foram surpresas para mim! Fizeram-me pensar em muitas coisas...

Deus tem a sua maneira unica para nos fazer crescer, de nos espicaçar... 

 IMG_1480-001.JPG

 

A seguir fomos até à Capelinha das Aparições rezar um terço e participar na Eucaristia.

Fomos almoçar e aproveitamos para estar com os meus tios que vivem em Lisboa mas que por coincidência tinham que ir a Fátima nesse dia. Colocamos as conversas e as notícias da família em dia.

 

 

Depois fomos para a via-sacra nos Valinhos. Juntámo-nos ao nosso grupo, no meio de uma grande confusão de outros grupos. 

50637A78-2F9A-4F57-8F59-AFF20C7EA8AB-001.JPG

 

 

 

Esta via sacra é muito especial para nós: ao percorre-la podemos ter uma ideia de como era o caminho dos pastorinhos entre as suas casas e a Cova de Iria, o local  da Capela das Aparições, enquanto pastoreavam os animais da família.

É um caminho para percorrer a pé ou de bicicleta. Não há carros, povoações, lojas ou barulho. Podemos ver a paisagem típica desta região. 

 

 

 

O nosso grupo rezou a via-sacra, ou seja, relembrámos o caminho da Paixão de Nosso Senhor. Em cada estação ajoelhámos e escutámos no coração, imaginando os momentos de sofrimento, de angustia, de coragem e de submissão à vontade do Pai de Jesus Cristo. 

7A33CF48-E90C-4A9E-A50D-B5905B70ABCC-001.JPG

A1670FEC-6175-4910-8497-C94288A60845-001.JPG

Eu já há muito tempo que não me lembrava o que era ajoelhar em piso desconfortável.... doí e muito!

Mas o que é esta dor comparada com o que Jesus passou?

IMG_1485-001.JPGIMG_1489-001.JPG

Curioso que, depois de várias estações a ajoelhar-me no mesmo tipo de piso, decidi ajoelhar-me na zona central do caminho que tem uma pedra lisa para me poupar à dor. Penso que essa pedra existe para as pessoas que queiram fazer a via-sacra de joelhos. 

 

Pois doeu-me ainda mais do que se tivesse escolhido o piso irregular de pedras. Arrependi-me imediatamente. Joelhos "massacrados" endurecidos não querem suavidades! Acho que isto poderia ser um belo exemplo para o "espicaçar de Deus" nas nossas vidas.

 

E bem que eu fui "espicaçada" nesta via-sacra!

Uma das vantagens desta via-sacra é que as crianças podem brincar à vontade nesta zona.

C7EB8271-A2D9-4625-A82E-002.JPG

 

A determinada altura do nosso percurso eu disse ao James para dar um pouco mais de folga ao Xavier (exatamente para ele ter a oportunidade de explorar o campo). Eu concentrei-me mais no que estava a fazer e suponho que o James também. 

De repente oiço um colega do grupo a falar no nome do Xavier em voz alta. Viro-me e dizem-me que o Xavier desapareceu e que o James já tinha ido caminho acima à procura dele. 

Eu senti-me "em suspenso"... Acho que se tivesse essa capacidade teria levitado...por segundos. Tentei reorganizar rapidamente as ideias e virei-me para o lado contrário ao do já tomado pelo James. Começo a andar mas fazem-me refletir sobre o que poderá ter acontecido com o Xavier: provavelmente distraiu-se e seguiu um outro grupo de pessoas que nos tinha ultrapassado há instantes. 

Ok. Comecei então a ir ao encontro do James. Um colega nosso vai então para trás, porque não se tem a certeza para que lado efetivamente o Xavier tinha ido.

...

(as pessoas falam comigo mas eu não estou)

...

Oiço alguém dizer que o James já o tinha encontrado. 

IMG_1492-001.JPG

 

Senti-me a descer do "suspenso". 

Depois de caminhar alguns metros vejo os dois sentados junto ao muro. Pego no Xavier mas este parece-me estranhamente ausente e "off". Pergunto ao James se o Xavier se tinha apercebido do acontecido, se tinha consciência (e se sim então provavelmente estaria muito assustado). Ele diz-me que ele não se apercebeu e até nem queria voltar para trás pois estava muito concentrado no seu caminho, ou seja, em andar caminho acima, no topo do muro. 

O James mais tarde contou-me que um Sr. do grupo que ia à nossa frente apercebeu-se mal viu o James à procura e ajudou-o a encontrar o Xavier. Já se tinham apercebido que alguma coisa estava errado quando viram uma criança a caminhar em cima do muro ultrapasssando-os a todos, sem niguém a acompanhá-lo.

IMG_1502-001.JPG

 

O James ficou aborrecido duplamente: comigo (porque eu tinha-lhe pedido para não ser tanto "pai galinha") e com o Xavier (porque este não se tinha apercebido que estava perdido e queria continuar a caminhar no muro).

Abracei o Xavier, tentando não lhe transmitir a minha aflição e ansiedade, e mantive-o comigo no resto do percurso. 

Eu levei ainda bastante tempo a repor o meu interior. 

 IMG_1504-001.JPG

Acho que se passaram uns poucos minutos mas o meu mundo deixou de existir nesse tempo. Não sei de facto como é que Maria aguentou também esta provação, não de uns poucos minutos, mas de pelo menos 3 dias quando Jesus, com 12 anos, toma a decisão de ficar a conversar com os Sacerdotes do Templo de Jerusalém. Sabemos que ele, com essa idade, já era considerado um jovem adulto mas... pelo menos 3 dias é obra! Acho que todos sabemos como os jovens adultos podem ser imaturos e inocentes.

Este episódio mexeu muito com a minha família!

 

No fim do dia conversamos sobre o que tinha acontecido, incluindo o Xavier pois estava na altura de ter as conversas de "ter cuidado com os estranhos" e "o que fazer quando ficamos perdidos".

Concluímos que o Xavier precisa de sair (um pouco) de baixo das nossas "saias" e "calças" para experiênciar sozinho umas "pedrinhas" da vida, começar a beber umas gotinhas do "cálice amargo". (Ensinamento de Abril - O Vinho Melhor - AQUI ).

Sentimo-nos espicaçados sim!

IMG_1512-001.JPG

Sigam-me

Comentários recentes

  • Helena Le Blanc

    Ola!Obrigada Sr./Sr.ª Desconhecido(a).Vou dar notí...

  • Anónimo

    Mudou-se para o sapo e nunca mais escreveu?Dê notí...

  • Bruxa Mimi

    Boas leituras, Lena!Bjs,Mimi

  • Anónimo

    Bela ideia! Acho que o senhor padre este ano quer ...

  • Helena Le Blanc

    Ola Teresa!É difícil não te reconhecer pelo conteú...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mais sobre mim

foto do autor