Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

as surpresas de DEUS!

uma católica com sérias dificuldades no caminho da santidade!!!

as surpresas de DEUS!

uma católica com sérias dificuldades no caminho da santidade!!!

A adaptabilidade da igreja...

04.03.21, Helena Le Blanc

Recentemente, no Correio do Vouga, li o seguinte parágrafo, sobre a proposta quaresmal, do Dom António Moiteiro, Bispo de Aveiro:

" 5ª - Sacramento da Reconciliação: A Quaresma é também um tempo forte de conversão, concretizado na celebração do sacramento da Reconciliação. Quando houver uma certa normalidade nas celebrações comunitárias - Quaresma ou tempo pascal - serão dadas orientações para a sua concretização."

unnamed (4).jpg

Fiquei a pensar sobre isto. 

O que é a referida "normalidade"? O ano 2019 pode ser um ano de referência. Ok. E quando? há ano e meio que a vida tornou-se atípica! E se não chegar o tempo da dita normalidade?

Percebo que a igreja se sinta obrigada a suspender alguns cultos e a transformar a sua ação catequética. Mas.... os sacramentos são fundamentais na nossa vida: alimentam-nos, fortificam-nos, apoiam-nos, influenciam-nos... Foi por isso que Jesus Cristo, entendendo a nossa natureza humana tão imperfeita, deixou parte de si nesta esfera mundana, para, através de várias formas, tocar-nos fisicamente.

Como nós precisamos de demonstrações de carinho (por ex. através de abraços) dos nossos pais (e quem diz pais diz esposos, filhos, amigos) para que a nossa balança emotiva e afetiva vá se equilibrando, também precisamos deste contacto físico de Jesus - que partilha o seu espírito, o seu corpo, a sua alma, a sua divindade - para nos ir transformando, santificando, divinizando, engrandecendo o nosso coração, o nosso espírito, a nossa alma!

Assistindo a Eucaristia à distância, não temos este efetivo contacto! Fala-se de uma "comunhão espiritual". É o que é!

Agora... a reconciliação, outro sacramento que faz diferença no nosso dia a dia pois permite a paz de espírito! Como é preciosa a paz de espírito!

Na minha opinião, esta é uma das particularidades maravilhosas da Igreja: o perdão total das culpas! Sendo "mediadora mandatada" neste processo, a igreja é facilitadora no perdão da pessoa a si própria! Como assim? Esta é, na minha perspetiva, uma das grandes questões do ser humano: o perdoar-se a si próprio.

Todas as nossas defesas, agressividades, fugas, focalizações, atribuição de culpa aos outros.... tudo isto protege uma única coisa: a culpa que sentimos!

Sentindo-se amada, compreendida e perdoada por Deus, a pessoa consciencializa-se, aceita-se, perdoa-se e propõe-se a fazer melhor. 

confession-3297507_1920.jpg

Lamento que este sacramento não seja entendido sem reservas e sem medos! 

Atrevo-me - na minha pequenez -  a fazer aqui uma proposta à igreja: "investir" muito mais das Direções Espirituais para, lentamente, o sacramento da Reconciliação começar a ter outra percepção e aceitação!

E aproveitando esta especial época pandémica (e até de confinamento) para investir numa quantidade razoável de tablets para os Sr.s Padres de forma a que os equipamentos fossem utilizados quase 

man-791049_1920 (1).jpg

intuitivamente, de forma a estarem à disposição das pessoas para dialogar. 

Hoje em dia existir alguém - credível - que esteja disponível, com tempo, para ouvir e conversar connosco "vale ouro".

Nos grandes Centros de Espiritualidade, os Sr.s Padres que estavam disponíveis para o sacramento da Reconciliação continuam agora também disponíveis (suponho)! Não poderão conversar? É assim que começa uma relação de convivência e (até) de confiança!

No confinamento de 2020 eu precisei de falar com alguém pois senti a minha sanidade mental em risco! Recorri a um amigo especialista. Porque não poder recorrer a um Sr. Padre, AMIGO íntimo de Jesus e especialista no amor aos outros?

Acho que nunca faltou tanto esta pratica da igreja como nos dias de hoje: direção espiritual, "uno a uno"!

 

 

Deixo aqui um pequeno texto sobre o poder de perdoar os pecados (autoridade divina):

"Esse poder de perdoar os pecados, o Senhor o confiou aos homens pecadores, aos apóstolos e seus legítimos sucessores, no dia mais solene: na Ressurreição, quando lhes apareceu e disse: Assim como o pai me enviou, também eu vos envio a vós. Tendo dito essas palavras, soprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àquele a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados, e àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos" (Jo 20,21-23).

Retirado do site da canção Nova - Formação. Poderá ler o texto integral AQUI.