Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

Uma tatuagem...

03.09.15, Helena Le Blanc
Com o Verão, comecei a reparar que as pessoas, cada vez mais, fazem tatuagens. Quando era mais nova, pensei sobre a questão, mas por falta de coragem ou por indecisão (relativo ao desenho) nunca fiz uma tatuagem. Da igreja e das pessoas ligadas à igreja sempre ouvi, direta ou indiretamente, a mensagem que era errada tatuarmos o nosso corpo porque sendo ele imagem de Deus, temos o dever de o cuidar e de o preservar nas melhores condições, já que é o sustentáculo do nosso (...)

Não percebi!

08.08.15, Helena Le Blanc
Encontrei este quadro, num canto da sala de estar, de uma família que não é católica, mesmo em frente à televisão. Reza mais, preocupa-te menos.  Uma surpresa.   Depois, reparei noutro quadro, e fiquei na dúvida... Qual será a tradução correta? Qual será a verdadeira mensagem? (...)

Uma surpresa na Praia...

12.06.15, Helena Le Blanc
Num destes fins de semanas, decidimos ir passar o dia de domingo à praia. Escolhemos a Praia de Mira. É uma praia relativamente perto e que foi a minha praia de infância. Lembro-me de, em criança, ir com a minha avó na Colónia de Praia. Se a memória não me falha, o nosso sacristão organizava todos os anos esta colónia. As pessoas, durante o mês de Julho, tinham a oportunidade de ir à Praia de Mira. Iam cedo (8h00) e chegavam ao fim da tarde (18h).  Nesse tempo, uma das (...)

Uma volta de bicicleta

04.06.15, Helena Le Blanc
Ontem à noite, quase a terminarmos o jantar, o meu marido lança "para cima da mesa" uma proposta:   - Vamos andar de bicicleta. Olhei para ele e a minha expressão transmitiu-lhe claramente o que eu achava da ideia. Depois de um dia de muito trabalho, de uma semana especialmente difícil, não precisava de atividades que exigissem esforços extraordinários.  No entanto, no meio segundo que levei a responder, apesar da minha expressividade, pensei nas Famílias de Caná e no que (...)

A Visita Pascal na nova casa!

07.04.15, Helena Le Blanc
No Domingo da Páscoa fomos receber a Cruz do Senhor em casa dos meus pais. Enquanto esperávamos, fui revendo e explorando a sala de estar e de jantar. Esta cheia de recordações e de objetos que fizeram parte da minha infância. Já não me lembrava que existia tanta coisa.  O meu marido estava atento, observando tudo. Mal conhece aquele espaço. Eu, tentando-me desculpar (a mim/meus pais), comentei que a sala tem muita coisa, fruto da acumulação dos anos. Ele respondeu que eu (...)

Continua a ser uma surpresa!

26.03.15, Helena Le Blanc
Hoje foi um dia de muitas surpresas de Deus, e uma das forças do mal. Mas vou contar a mais simples, a mais frequente, a que continua a surprender-me todas as vezes que acontece! Eu, no meu trabalho, sou de dedicaçao e empenho completo. Durante o horario, local ou matéria de trabalho, eu sinto-me completamente implicada e como tal, co-responsável. Nestes ultimos dias, uma colega andava a insistir comigo, e muito bem, para preparar um determinado documento para ser assinado por um (...)

Saudades da Avó!

22.03.15, Helena Le Blanc
Num destes últimos dias, o meu marido, ainda na cama, pediu-me para eu ir passar os cães. Normalmente é ele quem passeia os cães (plural desde há uma semana). E eu, levo muito à risca a divisão de tarefas na nossa família. Como tal, a minha resposta previsível seria: “porquê eu? tu é que fazes isso!”. Acontece que nessa manhã, especificamente neste ultimo sábado, que também por acaso tornou-se um dia especialmente ocupado e muito preenchido, eu não “refilei”. De (...)

Um cão de trela, no meio da estrada…

15.03.15, Helena Le Blanc
Aconteceu-nos ontem à noite. Nós tínhamos ido jantar a casa dos avós, e quando regressávamos encontramos um cão no meio da estrada com trela. Abrandamos o carro, à espera de ver aparecer alguém. Encostamos e parámos. O meu marido saiu do carro  e agarrou a trela com cuidado. O cão reagiu meigamente e assustado. O meu marido fez com que ele subisse para o carro. No resto do percurso ficamos da expetativa de ver alguém a pé ou de carro aflito, à procura do seu cão. Até nossa (...)