Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

Fazer boas ações com muito pouco esforço!

23.09.19, Helena Le Blanc

Enquanto ser humano devo ser simpática, cuidadosa, atenta e generosa relativamente aos outros seres humanos. Não sou mais nem menos do que os outros e tenho direitos e deveres iguais  a todos os outros (cidadania). São valores humanos, princípios morais e éticos, o respeito, a honestidade, a humildade, a empatia, o senso de justiça, a educação, a étia, a solidariedade, etc...

Enquanto pessoa cristã devo ser duplamente simpática, cuidadosa, atenta e generosa relativamente a todos os meus outros irmãos. São valores cristãos o respeito, a honestidade, a humildade, a justiça, o perdão, a paciência, a pureza, a generosidade, e o mais importante de todos o amor!

Acontece que tenho maiores ou menores dificuldades na maior parte dos meus deveres mas a  solidariedade, generosidade, é complicado! Como sabem só se é verdadeiro solidário se se dividir o que se possui e não dar somente o seu excedente!

Dar o excedente é uma questão de respeito para com os outros (por ex.colocar no lixo comida ou roupa boa). A parte de dividir, partilhar o que é nosso com os outros é que é mais complicado. Como é que eu poderei partilhar uma coisa que me faz falta? Eu debato-me com isto, especialmente quando falamos em valores físicos, concretos, como é o caso das notas e moedas.

Como é que eu poderei ser generosa?

Há uns tempos atrás descobri uma coisa espetacular, ou seja, outras formas de se ser generoso e com muito pouco esforço!

Eu posso partilhar algo que eu possuo em prol dos outros. Como? De que forma?

- pedir a benção de Deus para essa ou aquela pessoa;

- pedir graças de Deus para esta ou aquela pessoa;

- rezar a Deus pelo bem estar desta ou daquela pessoa.

São 8 minutos diários, de manhã, no carro. Todos os dias úteis eu e os meus filhos fazemos uma pequena oração de 3 Avé-Marias e 1 Pai Nosso. E ter os meus filhos neste momento são uma grande vantagem porque os pedidos das crianças têm um peso de ouro junto de Deus como tão bem Jesus nos explicou!

Se vocês decidirem experimentar, fiquem atentos porque mais dia ou menos dia... as "tais ditas pessoas" recebem as "tais graças, benção ou bem estar". 

Recomendo vivamente este tipo de boa ação na qual oferecemos o nosso tempo e a nossa capacidade de pedir e de orar em prol dos outros. 

Sabem, nem sempre o meu filho mais velho gosta ou lhe apetece ou eu próprio mas... oito minutos no máximo passam muito rápido.

Um bom dia para Vocês!

IMG_8524.jpg

Sou oficialmente uma "velhinha"!

21.09.19, Helena Le Blanc

Posso dizer oficialmente que... faço parte do grupo dos "velhinhos".

Não pareço nem me sinto nada assim. Mesmo!

Mas concluí recentemente que sim.

Porquê?

1 - Já não consigo acompanhar alguma evolução dos tempos, especialmente os exageros e excessos da sociedade atual!

2 - Há muitas coisas que me passam ao lado hoje em dia! Já não valem a minha energia e o meu tempo!

3- Doem-me algumas das minhas articulações!

4 - Já não sinto qualquer prazer em ficar na cama durante a manhã!

5 - Tal como as pessoas que guardam discos e gira-discos, eu recentemente senti vontade de voltar a ouvir a musica das minhas cassetes! Nem queria acreditar, mas fiz! Fui buscar as minhas cassetes a casa dos meus pais e um rádio;

6 - Sinto muitas saudades dos meus "velhos tempos": do Colégio onde estudei; da Paróquia onde participei em tantas atividades; das minhas férias juntos dos meus pais emigrantes; das minhas férias com a minha avó; das minhas férias no campismo; etc... Enfim! Sinto saudades de tudo!

7 - Dou muito mais valor a estar com as pessoas (a minha família, os meus pais, os meus amigos) do que  estar num computador, ver televisão ou passear num centro comercial...

8 - Achei o máximo vestir uma saia da minha mãe e sair de casa com um estilo muito retro (inspirada pelos filmes familiares dos últimos dias - "O Regresso ao Futuro". E o mais giro foi eu achar graça (dentro da minha cabeça) das reações que via das outras pessoas!

9 - Cada vez penso mais na MORTE  e também cada vez mais fujo desses pensamentos, de tão assustada me sinto!

É a coisa mais assustadora da minha vida: morrer e não mais voltar a ver o meu marido e os meus filhos! Ficar sozinha, para toda a eternidade, longe do amor, da felicidade... 

No entanto só tenho que me sentir grata, muito grata, a Deus, por ter tido esta oportunidade de vida! Porque é exatamente pela oportunidade de VIDA que tenho muito muito medo... de deixar este mundo, este lindo planeta com as maravilhosas pessoas que tenho à minha volta!

Obrigada Meus Deus!

IMG_1701dfa.jpg

Sair com um bebé pequeno dá calafrios!

18.09.19, Helena Le Blanc

Sair com um bebé pequeno dá calafrios!

Desde cedo que nos obrigam a isso: as idas ao Centro de Saúde e/ou ao Pediatra; as burocracias (muito importantes) na Segurança Social, etc... Enfim, são muitas as ocasiões que uma mãe têm que ser muito prática, corajosa e resistente! A logística é complexa. E arrepio-me toda quando penso nas mães e pais que são os únicos cuidadores na família sem apoios ou ajudas extras. Dou muitas graças a Deus pelo meu marido, que é pais dos meus filhos e que é meu amado esposo! Sem ele não sei se conseguiria aguentar!

Retomando... sair com um bebé pequeno dá-me (muitos) calafrios! 

Temos que ter em conta a altura do dia e a rotina do bebé; preparar todos os acessórios e apetrechos que poderemos vir a precisar; planear o tempo que iremos demorar; imaginar a tarefa que iremos fazer com um bebé presente e participante.... Pois! Não é fácil, especialmente sendo mãe pela primeira vez. No segundo filho (o meu caso pelo momento) torna-se um pouquinho mais fácil... Eu tornei-me muito mais prática com as coisas e situações e já não me assusto perante imprevistos e erros meus pois há sempre uma solução. Basta relaxar um pouco.

Agora, cada vez que eu entro com um bebé num espaço onde estão muitas crianças, acreditem, esqueço todas as dificuldades que tive para chegar lá pois fico: pasmada, contente, feliz, deleitada, maravilhada, deliciada, nas nuvens... As crianças adoram bebés! É incrível como reagem tão bem! Como adoram ver bebés, interessam-se por aquele ser que está  ali também muito curioso por ver tantas faces à volta dele!

Sair com um bebé pequeno dá calafrios mas é um grande prazer quando o objetivo é estar num espaço que têm crianças! Um bebé é um íman de crianças.

Tive a possibilidade de provar em estabelecimentos públicos e privados, com diferentes faixas etárias! Que maravilha!

Agora, pergunto-me: o que é que se passa entre estas crianças e quando chegam à idade de serem pais? Porquê tanto medo de serem progenitores, quando um dia já se sentiram tão atraídos por bebés?

A responsabilidade? As condições financeiras? 

Eu adoro ser mãe e arrependo-me muito por ter sido mãe tão tarde... e não ter (talvez) a possibilidade de ter mais filhos! Percebo que afinal o sucesso (profissional e financeiro) é tudo uma grande treta! Tem a sua importância para nos sentirmos bem e realizados de acordo com as nossas expectativas (sem dúvida nenhuma), mas aí está o problema! Porque é que eu tive tão grandes expectativas quando, depois de 40 anos de vida, eu percebo que nada disso importa?!

O que importa é a minha família (o meu marido e os meus queridos filhos), o meu trabalho (na medida que cumpro as minhas funções e tarefas esforçando-me por fazer sempre bem e muito bem) os meus (queridos) amigos,  os que me rodeiam, enfim todos os outros!

E concluo que a Igreja Católica, e não me referindo em termos catequéticos, só tem os melhores conselhos! Se eu tivesse dado ouvidos à Igreja e aos seus conselhos, então teria sido mãe mais cedo... muito mais cedo! 

É uma bênção poder ser mãe!

IMG_1609 (1) (1).jpg

P1060108.jpg