Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

Peripécias em Bolonha!

07.07.17, Helena Le Blanc

Recentemente tive a oportunidade de ir ter com o meu marido a Bolonha para passar o fim de semana.

O Xavier ficou com os avós.

Foram 3 dias e 2 noites. Na comitiva em Bolonha também estava uma das minhas cunhadas, oriundas do Canada. Foi muito bom estar com ela.

Saí de madrugada de casa e cheguei junto deles quase à hora do jantar. No segundo dia fui passear com a minha cunhada na cidade.

Notei imediatamente as motoretas e bicicletas, os edifícios altíssimos com história, as flores lindas, os sabores e cheiros maravilhosos em cada esquina! Muito bom!

DSC_9339.JPG

DSC_9445 (1).JPG

DSC_9333.JPGIMG_3137.JPG

DSC_9391.JPG

Procurei logo, nas imediações, por Igrejas! A minha cunhada já calculava que eu iria pedir para as visitar mas propôs começarmos por uma  visita ao mercado, muito parecido com o nosso mas muito diferente para ela.

Depois visitamos algumas lojas e a nossa primeira Igreja nesta cidade.

Uma grande Igreja, aliás um Santuário, que só no interior tive a certeza que era um espaço sagrado.

DSC_9266.JPG

DSC_9267.JPG

DSC_9268.JPG

Visitei de ponta a ponta.

DSC_9270-001.JPG

E antes que continue a minha história, mostro alguns pontos que achei curiosos e/ou muito bonitos:

 o sítio da água benta

DSC_9272.JPG

 o coro

DSC_9273.JPG

 o altar e o presbitério

DSC_9275.JPG

 uma pintura da Anunciação por cima da cópula do presbitério

DSC_9276.JPG

o teto do presbitério com uma cruz pendurada

DSC_9277.JPG

 vários turíbulos de tamanho grande pendurados em diferentes sítios das naves

DSC_9283.JPG

DSC_9296.JPG

 os bancos da assembleia; porquê? vejam o pormenor da segunda fotografia...

DSC_9279.JPG

DSC_9278.JPG

alguns altares laterais

DSC_9286.JPG

DSC_9298.JPG

DSC_9312.JPG

DSC_9318.JPG

 um sítio especial para as velas;

compramos e entregamos as velas a um dos dois senhores responsáveis pelo serviço,

 os únicos com acesso ao local onde ficam a arder 

DSC_9302.JPG

DSC_9308.JPG

Notei que as pessoas faziam fila num determinado ponto por detrás do altar, mesmo durante a Eucaristia. Fiquei curiosa. Ainda mais quando reparei em dois guardas que vigiavam o altar.

DSC_9319.JPG 

Quando chegamos lá já estava fechado o acesso pois era a hora de almoço.

 

Saímos por umas das portas laterais e percorremos aquelas pequenas ruelas para almoçarmos num dos restaurantes tradicionais.

DSC_9323.JPG

DSC_9335.JPG

DSC_9326.JPG

Durante o almoço a minha cunhada fez algumas pesquisas sobre a dita Basílica.

IMG_3126.JPGPercebeu que se chamava Basílica de Nossa Senhora de Lucas, e que pertencia a um conjunto de Igrejas que marcavam o caminho de peregrinação à Basílica que se encontrava no cimo de um monte. Nessa seria suposto estar um ícone antigo de Nossa Senhora.


IMG_3132 (1).jpg

No final do almoço pedi-lhe para regressarmos à tal Igreja onde tínhamos estado para perceber o que estaria atrás do altar. Ela concordou.

Fomos. Vi uma imagem que na sua grande maioria estava revestida com uma placa cor prateada, à excepção da face de uma mulher e de um menino bebé. Suponho que seria Maria e Jesus, mas achei estranho.

DSC_9355.JPG

DSC_9356.JPG

DSC_9357.JPG

DSC_9360.JPG

 Aproveitei e tirei tirei fotos ao teto e à cruz pendurada:

DSC_9359.JPG

DSC_9438.JPG

Depois regressamos às ruelas e às bancas de rua.

DSC_9366.JPG

DSC_9365.JPG

DSC_9369.JPG

IMG_3133.JPG

 

Visitamos um mercado de ervas, que essencialmente eram frutos e hortaliças frescas.

DSC_9374.JPG

DSC_9375.JPG

 

A dada altura, depois de comprar umas cerejas, dou-me conta que eu não tinha o meu saco de compras. Imediatamente pensei que tinha sido roubada.

O meu marido, na noite anterior, tinha-nos recomendado muito cuidado com os carteiristas e ladrões. Falou tanto que não conseguimos ficar indiferentes.

Perguntamos ao sr. da banca das cerejas, demos várias voltas ao mercado separadamente e nada!

Fiquei tristíssima! Tinha comprado umas pequenas coisas do mercado tradicional, para além do dinheiro ter sido "em vão". Tentei sorrir e até sentir o sabor do gelado que comemos, mas não consegui "alegrar-me". Fiz um esforço por causa da minha companhia.

DSC_9384.JPG

A minha cunhada retomou o plano: apanhamos um táxi e fomos até ao monte, à grande Basílica. 

Visitamos a dita Basílica no monte. Lindíssima por fora mas por dentro... com menos esplendor, menos brilho, que a anterior. Achamos esquisito. Parecia-nos muito escura e abandonada, se bem que tinha algumas coisas muito bonitas.

DSC_9404.JPG

DSC_9407.JPG

DSC_9410.JPG

DSC_9412.JPG

DSC_9413.JPG

DSC_9415.JPG

DSC_9416.JPG

Andei à procura do dito ícone e ao ler um folheto e associando ideias concluí que o ícone estava na primeira igreja, no Santuário de Nossa Senhora de S. Lucas. A esta altura mais triste fiquei por ter perdido a oportunidade de olhar e saber para o que é que estava a olhar. Não é a primeira vez que isto acontece, o que me deixa sempre muito frustrada.

Saímos e sentamos nas escadas a observar a paisagem lindíssima.

DSC_9409.JPG

A determinada altura pego na câmara para rever as fotos tiradas (mais uma tentativa de afastar o sentimento de tristeza pela perda).

Ao ver uma delas tenho um "clic". Virei-me para a minha companheira e mostrei-lhe a foto: ela estava sentada num cadeirão na entrada de uma loja. Lembro-me de eu também ter estado sentado para tirar uma foto. Em imediato, percebendo do Ela pegou no telemóvel e procurou a foto. Podíamos ver que eu tinha colocado o saco das compras de lado. Havia uma grande probabilidade de eu ter-me esquecido da saca nessa loja.

Lembrei-me do nome da loja. Ela procurou o numero da loja através do telemóvel e telefona tentando-se explicar.  Pareceu-nos que o saco estaria lá mas não conseguimos ter a certeza por causa das dificuldades comunicativas.

Identificamos a morada da loja no Google Maps e demos a morada ao táxi. Cheguei à loja com o coração aos pulos. Perguntamos ao primeiro empregado que encontramos e ele não disse que sim nem que não. Começou a andar em direção ao balcão mas olhando para todos os cantos do chão. Ficamos na duvida. Será?

Chegamos ao balcão e ele pegou numa bolsa de papel que estava num canto: o meu saco!

Saí da loja a saltitar e agradecer muito. Virei-me para a minha cunhada disse-lhe: - desculpa mas eu tenho voltar àquela Basílica.

E foi para lá que me dirigi, direitinha, sem esperar pela resposta.

Fui ver, agora com outros olhos, outro conhecimento, outro sentimento, o dito ícone, no altar-mor. E lá estava ele! Agora sim, percebi.

Enquanto tirava fotografias reparei que os olhos de Maria não se afastavam de mim, seguiam-me conforme eu andava! Tinha essa particularidade. Que belíssimo! A imagem é linda e antiga. Dizem que foi pintada pelo Evangelista Lucas, mas não há provas. 

DSC_9430.JPG

do lado esquerdo do altar-mor

DSC_9428.JPG

DSC_9429.JPG

do lado direito do altar-mor

DSC_9432.JPGDSC_9432-001.JPG

Agradeci. Agradeci muito por ter encontrado o saco e com isso a desculpa, o motivo, a oportunidade para voltar àquele lugar e perceber, ou seja, realmente olhar com olhos de ver.

E foi isto que mais me marcou nesta viagem: aquela imagem, aquela Basílica...

 

 

DSC_9311.JPG