Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

as surpresas de DEUS!

uma cristã católica com sérias dificuldades no caminho da Santidade!!!

O que aprendi há pouco tempo...

03.04.16, Helena Le Blanc

Hoje é o Domingo da Misericórdia.

No ano passado já tinha falado sobre este dia: AQUI, e do porquê ser diferente e especial.

Enquanto pensava sobre o post de hoje, lembrei-me do que eu aprendi recentemente.

 

Apontamentos:

1 - MiseriAção de formação-Jubileu Misericórdia_final-HQ.jpgcórdia, em grego, quer dizer "inclinar-se para";

2 - "A transparência do olhar significa a riqueza e beleza do coração" - dito pelo Sr. Padre Georgino Rocha, Capelão da Misericórdia de Aveiro;

3 - Um judeu, para ver o seu testemunho válido em tribunal, tinha que levar consigo duas testemunhas;

4 - Para dar um conselho a alguém, temos que nos colocar no lugar do outro para depois indicar o caminho. O conselho tem que ser uma luz no caminho;

5 - Um ofendido, se for católico, tem uma obrigação acrescida: deverá ir ao encontro do ofensor para restabelecer a vida em comunhão, ou seja a paz das relações;

6 - O que é um irmão corrigido? É um irmão perdoado. Corrigir alguém implica perdoar do fundo do coração. Depois da verdade vem o perdão. E como tal, a autoridade tem que estar associada a doçura. Temos que ser firmes mas sem humilhação;

7 - Consolar, em grego, quer dizer "chamar para junto de si". No consolo deveremos dar sempre esperança. É importante colocar-mo-nos no lugar do outro. Não ajudamos em nada se mostramos uma atitude de resignação perante a situação do outro. Temos a obrigação de transmitir esperança sempre, não importa que situação. Muitas vezes, as melhores palavras é agarrar a mão e calarmo-nos;

8 - "Nem tudo o que me agrada no outro é defeito" - Frase do Sr. Bispo de Aveiro;

9 - Ter um coração sIMG_0747.jpgimples é um treino da vida;

10 - Se Deus não tivesse paciência connosco, já estávamos "lixádos" há muito tempo! A paciência é a arte de viver a insuficiência. A arte de viver com os outros não está na capacidade suportar o sofrimento mas sim na capacidade de viver com o sofrimento;

11 - Rezar é colocar-me no coração de Deus. Pedir a Deus pelo meu irmão é estar-me a colocar no coração de Deus, e assim cIMG_0856.jpgomigo o meu irmão. Ser intercessor é o que constrói pontes (entre Deus e os vivos ou os mortos). Viver com e pelo os outros, é também rezar com e pelos outros;

12 - A pessoa, o outro, é que indica a sua necessidade, pois não somos nós que as impomos. As respostas/serviços têm que ser à medida da necessidade de cada um;

13 - A primeira obrigação de qualquer cristão é ser misericordioso consigo mesmo, e ter amor a si mesmo. Pois a medida ao amor ao próximo é o amor a si mesmo;

14 - A caridade começa em casa. O meu estilo de vida é que está em causa;

15 - A Igreja tem que ser um oásis de misericórdia (e não ilha). 

 

Participei numa formação que o nosso Bispo de Aveiro promoveu, em colaboração com a União das Misericórdias Portuguesas e as 11 Misericórdias de Aveiro, na Casa Diocesana de Albergaria-a-Velha.

O Sr. Bispo, Dom António Moiteiro, falou sobre as 7 Obras de Misericórdia Espirituais e o Padre Georgino Rocha sobre as 7 Obras de Misericórdia Corporais.

Queres saber mais? Aqui ficam os textos que serviram de guia a cada apresentação.

 PDF -  Sr. Bispo de Aveiro: 7 Obras de Misericórdia Espirituais: Obras Espirituais.pdf

PDF - Sr. Padre Georgino Rocha: 7 Obras de Misericórdia Corporais: Obras Corporais.pdf

 

Um bela surpresa de Deus. Aprendi muito.

Dia Internacional do Livro Infantil

02.04.16, Helena Le Blanc

Desde muito cedo comecei a comprar livros infantis. Quando fiquei grávida, continuei a comprar livros infantis primeiro que brinquedos.

Como gosto de ler, e em determinada época da minha vida foi o meu grande hobby/part-time que me fez voar e sonhar, considero os livros de extrema importância na vida de qualquer pessoa.

O meu filho têm bastantes livros, mas uma parte deles ainda se encontram longe das suas mãos.

No entanto, desde há 2 anos para cá, comecei somente a comprar-lhe livros com histórias da nossa fé cristã. 

Já tinha abordado este assunto: AQUI.  

Nós, como tantos outros Pais fazem e fizeram, tentamos na maior parte das noites contar uma história, fazendo parte da rotina e higiene do sono. Mas a grande diferença é que a nossa rotina incluí oração e histórias da bíblia.

Desde lá para cá só tenho comprado livros infantis cristãos. O Xavier também tem recebido como prendas de aniversário de uma amiga da família, livros de histórias da bíblia.

E sabem de uma coisa? Não me arrependo nada. São mais as vezes que contamos historias da bíblia do que as histórias dos outros livros, também importantes mas contados e trabalhadas no jardim-escola.

As histórias infantis da bíblia têm personagens como as outras, desenhos infantis como as outras, moral da história como as outras. Por isso, porque não hão-de ser válidas e credíveis? E porque é que não têm o primeiro lugar no podium nas famílias católicas? Não sei.

Vocês sabem?

Um abraço para todos.

 

IMG_1575-001.JPG

Junto da ovelha que, de joelhos reza, temos alguns dos livros de histórias da bíblia infantis. Aqueles são os livros cuja linguagem achamos adequada à sua faixa etária do momento. 

Às vezes sou eu que escolho o livro e a história. Outros dias é o Xavier.

Esta é a sua história favorita:

IMG_1577-001.JPG

Dia das Mentiras

01.04.16, Helena Le Blanc

Hoje é o dia das Mentiras.

 

Porquê?

O Dia das Mentiras surgiu em França, por mera brincadeira (século XVI).

Nesta época, em especial no reinado de Carlos XI, o ano novo era comemorado a 25 de Março, com a chegada da Primavera.

No tempo de Jesus, a Páscoa judaica era comemorada, como memória do grande Dia de Libertação do Povo Israelita do Egipto, no novo ano. Este novo ano começava na Primavera, exatamente porque foi durante a 1ª lua cheia da Primavera que P1030113.JPGos judeus, sob a liderança de Moisés, caminharam do mar vermelho até Caná, ao longo de mais de 40 anos.

Retomando, as festas francesas do novo ano incluíam troca de presentes e duravam uma semana, terminando a 1 de Abril.

Em 1564 adotou-se um calendário diferente, o calendário gregoriano (é um calendário solar, ao contrário do calendário lunar que o povo Israel usava), o rei decidiu que o ano novo deveria passar a comemorar-se a 1 de Janeiro.

Alguns franceses não aceitaram a mudança no calendário e continuaram com a tradição antiga. A população que adotou o novo calendário decidiu brincar com os "conservadores" enviando-lhes presentes diferentes (estranhos) e convites para festas inexistentes. Com o passar do tempo, a brincadeira tomou proporções alastrando-se a outros países da Europa e, mais tarde, a outros continentes.

E é por isto que temos este dia diferente. 

Hoje as pessoas dizem pequenas mentiras umas às outras. Mas, tudo na brincadeira.

Eu pessoalmente não acho "muita piada" a este dia, mas dou valor à brincadeira, à boa disposição e ao bom ambiente entre as pessoas. Valorizo e admiro as que têm este dom especial.

 

 

Reeditei este post para dizer qual foi a fonte desta informação: AQUI. 

Tem revelado maravilhas, e muitas surpresas.

Pág. 5/5